As 10 maiores cidades Bitcoin do mundo

Dizem que as criptomoedas não possuem fronteiras. E quando você negocia Bitcoin ou recebe alguma moeda virtual como pagamento por um trabalho ou venda que realizou você confirma isso.

Mas… e se você quiser gastar o Bitcoin pessoalmente? À medida que o Bitcoin e outras moedas, como Ethereum ou Litecoin, começam a decolar, algumas partes do mundo estão adotando as moedas virtuais mais do que outras.

Publicidade

E embora centros tecnológicos como San Francisco ou Seul sejam locais óbvios, há inesperadas cidades adotando as criptomoedas como Praga, Tel Aviv, Buenos Aires e Bangkok.

As cidades Bitcoin estão surgindo em todo o mundo, enquanto os nômades digitais se reúnem para gastar sua criptomoedas em um só lugar. Crédito da foto: Shutterstock.

À medida que o Bitcoin se torna mais popular, viajar e gastar criptomoedas está se tornando mais fácil do que nunca, graças à tecnologia blockchain. 

Conheça agora os dez principais pontos de acesso de Bitcoin de todo o mundo, bem como alguns tópicos sobre onde e como o uso de Bitcoins está se espalhando.

Praga, a República Tcheca possui o maior número de fornecedores de aceitação de Bitcoin no mundo. Um empresário passou o verão lá em 2017 apenas por causa de todos os fornecedores que aceitaram o Bitcoin . O país também tem uma alta densidade de negócios em áreas rurais, abrigando mais de 150 empresas que trabalham e aceitam moedas virtuais.

Buenos Aires, na Argentina, se orgulhava de ser a segunda maior empresa de Bitcoin do mundo. A América do Sul em geral é um continente pesado em Bitcoin, com cidades como Bogotá, Colômbia; Caracas, Venezuela; e São Paulo. O Brasil, já possui mais de 100 empresas que aceitam Bitcoin, como Hotéis, restaurantes, agências de viagem, locadora de carros, entre outras.

Em terceiro lugar na lista das melhores cidades bitcoin está San Francisco, com mais de 120 empresas.Quando Felix Weis visitou a cidade norte-americana disse que era muito fácil pagar apenas com criptomedas lá.

Completando os cinco primeiros lugares estavam Madri e Nova York ficou em sexto lugar, enquanto Bogotá, em sétimo. Vancouver ficou em oitavo, seguido por Londres e Paris.

Regiões como o Oriente Médio, África e Ásia foram notadas ausentes dos dez primeiros, embora muitos nômades criptográficos relatem perder tempo em países do Sudeste Asiático como Tailândia e Indonésia. Tel Aviv, Israel também ostenta o crescente uso de Bitcoin, bem como a Cidade do Cabo, na África do Sul; Melbourne e Sydney, Austrália.

Um ponto interessante é que os pontos críticos de Bitcoin não são necessariamente todos urbanos . Alguns países com altas densidades globais de empresas de criptomoedas, como o Brasil, a Tailândia ou o Reino Unido, possuem freqüências similares de fornecedores que aceitam Bitcoin em cidades pequenas ou regiões, como nas capitais. Por exemplo, Arnhem, na Holanda, possui mais de 90 empresas que aceitação Bitcoin, enquanto Amsterdã tem apenas 63.

Praga tornou-se um uma referencia de cidade em criptomoedas graças a cafés como este que aceitam Bitcoin e Litecoin.

A ascensão dos centros de negócios de criptografia

Governos de todo o mundo estão tendo reações variadas ao Bitcoin. Por um lado, os centros internacionais de negócios, como a Suíça e Cingapura, abriram seus braços para as moedas digitais, mas onde o governo local não dá apoio, ocorre menos fornecedores e empresas recebendo e trabalhando com elas.

Países do Golfo, como os Emirados Árabes Unidos ou a Arábia Saudita, têm hesitado em adotar criptomoedas  e estão ausentes do mapa mundial.

Quando Bitcoin Oferece Uma Pausa De Inflação

Uma das tendências mais interessantes no uso internacional do Bitcoin é como a moeda é usada globalmente para sustentar a inflação. Cidadãos em países como Argentina, Venezuela e Zimbábue estão adotando Bitcoin porque a moeda oferece mais proteção contra a inflação.

Importante destacar que 8% das transações de Bitcoin do mundo estavam ocorrendo na Venezuela, no entanto a Venezuela não possui 8% da população mundial.

 

 

Deixe sua opinião