Este poderoso líder da Hinode, o Brasil não conhece

Quem é Luis Raúl Ninapaytán? Líder Hinode

Luis Raúl Ninapaytán é o principal líder da Hinode no Peru, mas ele já está aproveitando essa oportunidade de negócios na América Latina.

Luis Raúl Ninapaytán é um dos líderes mais importantes da empresa brasileira Hinode.

Publicidade

Esse empresário peruano decidiu trazer o nome da empresa de cosméticos e produtos de bem-estar para toda a América Latina, e ele está fazendo isso.

Conheça mais sua vida e trajetória…

Onde você nasceu Qual é o seu histórico familiar?

Eu nasci em Lima, Peru. Eu venho de uma família onde não havia de classe média.

Desde tenra idade, vi que o dinheiro era um problema sério, um problema que nos limitava bastante. Minha mãe e meu pai discutiram sobre isso e, desde muito jovem, decidi que, em minha família, eu teria uma vida abundante.

No começo, eu me apaixonei pelo esporte, queria ser jogador de futebol, na verdade tinha até os 15 anos de idade na pré-seleção do Peru.

Mas na minha família todos são profissionais e meu pai sempre optou pela educação. Somos três irmãos, sou o caçula e hoje somos os três engenheiros porque meu pai sempre instilou em nós a educação.

Por que você estudou agronomia?

Estudei agronomia, primeiro, porque meu pai é engenheiro agrônomo.

Mas, dentro da minha visão de vida, eu sempre quis liberdade, e vi que, como engenheiro agrônomo, iria administrar as terras que possuíamos e, obviamente, iria capacitá-las. Ter muitos hectares e possuir o meu negócio poderia ser dito.

Infelizmente, meu pai não se saiu bem em agronomia. Depois de uma falência, tivemos que começar do zero. Eu já era engenheiro agrônomo, então fui procurar emprego no Banco Agrario, aqui no Peru.

Eu era como praticante, depois como profissional e depois como assistente na área de riscos em que passei quatro anos. Foi quando percebi que o mundo do trabalho não estava indo bem, não ganhei o que queria e vi que havia muito desemprego, mas não tinha mais opções.

Li um livro que me abriu a mente, pai rico , pai pobre. Essa leitura me fez perceber que eu podia ser rico, que era uma questão de mentalidade, e eu queria ser rico desde muito jovem, então me inclinei para o empreendedorismo.

Até aquele momento, eu não sabia nada sobre redes de marketing, nada sobre multiníveis. Eu estava vendo negócios tradicionais para empreender.

De fato, coloquei algumas empresas, por exemplo, aos 20 anos, comecei com a compra e venda de carros, antes disso, aos 18 anos, juntamente com a universidade, em direção à modelagem, enquanto estive 3 anos na compra e venda em paralelo. Para minha universidade

Aprendi muito com os negócios e, aos 26 anos, um pouco entediado e cansado de trabalhar, e ao ler o livro de Kiyosaki, coloquei uma boutique com um primo, ela não correu bem, muitos desafios, nem conseguimos inaugurá-la, questões locais, roupas , etc. Em seguida, coloquei meu centro de lavagem de carros aos 26 anos, juntamente com um parceiro, enquanto continuava meu trabalho.

Luis Raúl Ninapaytán em uma colheita de cebola.
Luis Raúl Ninapaytán em uma colheita de cebola.

Você se comprometeu no setor agrícola. Conte-nos um pouco sobre isso.

Quando terminei minha carreira, nos últimos ciclos, comecei no mundo agrícola, plantei um hectare de cebola e a verdade é que isso me fez chorar.

Foram seis meses em que investi tudo o que tinha, pouco mais de 7 mil dólares. Lembro que foi um grande fardo, porque trabalhei de segunda a segunda.

Então imagine seis meses com esse ritmo de trabalho e, no final, tudo deu muito errado. Recuperei apenas 3 mil dólares em seis meses de sacrifício.

Quais foram as maiores lições deixadas pelo mundo dos negócios e do empreendedorismo?

O trabalho me deixou com uma lição muito importante, que é que eles privam você do seu tempo e você ganha pouco, essa foi a maior lição, porque eu com meu chefe se dava muito bem, o ambiente de trabalho era ideal, mas eu ganhava pouco e eu Passei a semana toda, não tive tempo para mais nada, essa foi a minha lição mais importante no mundo do emprego.

No mundo do empreendedorismo, notei muitas coisas, inclusive ter um negócio próprio não é fácil, é muito difícil, muito complexo e muitas vezes as variáveis ​​para ter sucesso estão além do seu alcance, ou seja, elas não dependem de você.

Por exemplo, o aluguel da loja para a boutique, quando estávamos prestes a começar, o proprietário nos disse que ele não queria mais alugá-la e argumentou que havia comprado melhor e que, de qualquer forma, atrasávamos no pagamento.

Era uma desculpa, mas aprendi que não ter meu próprio lugar e confiar em terceiros era algo fora de nosso controle.

Também aprendi que, nos negócios tradicionais, o primeiro investimento que você faz é bastante alto e, na maioria das vezes, a recuperação leva muito tempo e, às vezes, nunca se recupera. Isso aconteceu comigo com a boutique, eu investi muito e fiquei no ar, e na lavagem de carro levei um ano e meio para recuperar um investimento de 10 mil dólares, e assim, depois de três anos, o proprietário tomou meu lugar Eu também trabalhei em vão.

Outro ponto é que trabalhar com funcionários não é fácil, quando você está lá, tudo está indo bem, mas quando você não está, há um grande problema. Esse é o terceiro ponto que aprendi como lição, essa frase me vem à mente: quando o gato não está lá, os ratos estão festejando.

A quarta lição no mundo do empreendedorismo foi a competição. Quando abri minha sala de lavagem de carros, eu tinha muitos clientes, estava sozinho. Mas depois de dois anos e meio, já havia cinco lavagens de carros ao meu redor. A concorrência é muito injusta, porque você abaixa o preço, eles falam mal de você, etc.

O quinto ponto é que você, como proprietário, tem que pagar a todos e, no final, você se paga, e muitas vezes não há nada para você e até perdas.

E o sexto e mais importante que eu acho é que eu tinha um limite, não como no multinível, por exemplo. Um máximo de quarenta carros entraram no meu lava-rápido, mesmo que eu quisesse espaço, mais nenhum entrou.

Essas foram as lições mais importantes que os negócios tradicionais me deixaram.

Luis Raúl Ninapaytán
Luis Raúl Ninapaytán

Como você aprendeu sobre o marketing de rede? Conte-nos essa história.

Eu era muito cético quanto aos negócios de marketing de rede. Eu sempre argumentei que aquilo não era para mim, que eu não gostava de vendas, que eu era engenheiro e que isso não era coisa minha.

Até que Laura, uma amiga, veio à minha casa. Ela chegou com uma folha de apresentação, eu disse: O que você está fazendo Laura? Não me diga que você vai falar comigo sobre redes de marketing. E ela me disse: sim, quero que você me escute, há uma grande oportunidade. Eu a vi muito segura e a ouvi por respeito, mas quando entendi pela primeira vez o marketing de rede, a renda residual multinível, a possibilidade de me aposentar em cinco anos, realmente impactou minha vida, vi uma oportunidade para mim.

Mas eu estava tendo dificuldades nos negócios e no emprego, tinha pouco rendimento e tempo zero, ou seja, a multinível chega à minha vida na pior hora, quando não tinha tempo porque tinha um negócio tradicional e quando não tinha dinheiro porque estava Quebrando o negócio.

Eu terminei de fechar quando participei de um grande evento em que pessoas comuns estavam lucrando 3, 6, 9, 12 e 15 mil dólares, e uma pessoa ganhava mais de 45 mil dólares, o que para mim foi chocante.

Na verdade, minha decisão se resume a algo bastante engraçado, já que eu tinha a intenção de entrar em uma academia de prestígio e queria estar lá com roupas de marcas como Adidas ou Nike, e esse orçamento não estava dentro do que eu ganhava.

Incrivelmente, entrei no meu primeiro negócio de MMN porque queria comprar alguns tênis Nike. Então vi que através desse negócio eu poderia gerar uma renda extra e era a oportunidade perfeita para isso.

Luis Raúl Ninapaytán e Sandro Rodrigues
Sandro Rodrigues e Luis Raúl Ninapaytán

Quando você decide se dedicar ao MMN e deixar sua carreira de lado?

Decidi me dedicar ao MMN quando elafoi embora. Obtive muita convicção, quando uma pessoa entrou no negócio e eu ganhei 100 dólares. Não entendi a questão da formação de equipes, muito menos pensei em resíduos. Eu só estava pensando em ganhar me inscrevendo, porque era o que eu precisava naquele momento.

Mas então, com os eventos e o sistema educacional, eu estava abrindo minha mente e percebi que havia um negócio maior e que eu conseguiria grandes coisas; então, naquele curto período de tempo, desenvolvi meu negócio de maneira séria e profissional, duas horas por dia.

Comecei a montar uma equipe e não demorou para eu abandonar meu primeiro objetivo que era deixar meu emprego.

Entendi que deixando meu emprego, deixaria de ser funcionário e me tornaria empreendedor.

No oitavo mês, eu já havia saído do emprego. Isso foi em junho de 2014.

Luis Raúl Ninapaytán
Luis Raúl Ninapaytán

Em quantas empresas de MMN você desenvolveu negócios ao longo de sua carreira?

Estive em quatro empresas. No meu primeiro ano, estive na Zrii, atingindo 6 estrelas. Depois fui para Jeunesse, onde tinha dois anos e cheguei à Sapphire Elite. Passei dois meses na iML, onde cheguei à P1000. Por fim, estou no Hinode há quase 3 anos, sendo Imperial Diamond Elite e o Top 1 do meu país e América Latina.

Aproveitei todas as oportunidades de uma maneira muito profissional e aprendi com todas. Deixei-os para diferentes variáveis, mas sempre em busca da empresa com a qual me aposentaria e ajudaria milhões de pessoas.

Qual é a coisa mais difícil que você enfrentou durante esses anos no marketing de rede?

Foi progressivo, em primeiro lugar, a rejeição social, receber aqueles nãos das pessoas. Muitas tiravam sarro. Foi muito difícil no começo, já que a crença e a visão eram baixas, então foi muito difícil.

O próximo desafio foi aprender a montar a rede. Na segunda empresa, com alguma experiência, consegui formar uma equipe de 1.000 pessoas, mas o problema era a retenção e fiquei muito frustrado ao ver que as pessoas não ganhavam dinheiro.

Tentamos de tudo, mas isso não mudou o cenário. E foi aí que perdi a crença nas empresas de produtos e comecei a testar com empresas de tecnologia, mas percebi que era muito pior para mim.

Estava lá quando comecei a procurar uma empresa que melhor se adequasse ao mercado latino-americano.

O maior desafio que tivemos na Hinode foi o estágio pioneiro, muitos desafios, sete meses sem produtos, vendendo uma visão até a chegada da empresa. E também entender as pessoas, enfrentar seus problemas e ser uma fonte de inspiração, um solucionador, um pequeno psicólogo poderia dizer, é um forte desafio.

Luis Raúl Ninapaytán no palco

Por que o grupo HINODE?

É uma empresa com solidez, seriedade, que mostra resultados, que já passou pela curva de aprendizado no Brasil e está pronta para expansão internacional. Ele também tem uma empresa de topo.

Então, porque é uma empresa que tem produtos de consumo diário, e isso é fundamental para mim. O preço dos produtos está dentro do que a maioria das pessoas pode pagar e a qualidade está bem acima da média. Em outras palavras, o custo-benefício é ideal para o mercado latino. E, finalmente, a diversidade do catálogo, uma incrível variedade de produtos crescendo ano após ano.

Eu costumava ser uma pessoa que avaliava muito o plano de pagamento, até entender que o que move um plano de pagamento são os produtos e que, se os produtos não saem como bolos quentes, é inútil ter um plano de pagamento extraordinário.

Além disso, um ponto muito importante é que a Hinode está começando no mercado internacional. Sempre me vi como um líder internacional, com equipes em diferentes partes do mundo, levando, inspirando e mudando vidas.

Você está no marketing de rede há um curto período de tempo e se tornou um networker de muito sucesso. O que você acha que é a chave para esse sucesso?

A chave do meu sucesso, acredito, está muito na minha disciplina, minha determinação, minha clareza, minha certeza, na abordagem que coloco no negócio, sempre me preocupei em ser um líder de alto impacto. No entanto, nada disso funcionaria se você não estivesse no veículo certo.

Como você vê o futuro do marketing de rede na América Latina?

Na minha visão, a Hinode será um ponto de ruptura em vários níveis na América Latina, porque é a primeira empresa que aposta em vendas diretas como prioridade e faz um híbrido com vários níveis, com produtos e cultura de vendas por catálogo

Vamos fazer as pessoas gerarem muito dinheiro com a venda.

Luis Raúl Ninapaytán recebendo um cheque Hinode
Luis Raúl Ninapaytán recebendo um cheque Hinode

Qual é o seu próximo objetivo comercial?

Estou focado em ser o Titan 200k da minha empresa, que é o nível mais alto.

No entanto, como primeiro objetivo pessoal, quero alcançar o próximo nível que sou, que são as Duas Estrelas Imperiais.

Como objetivo da equipe, a curto prazo, é conseguir 200 diamantes, 300 a médio prazo e 500 a longo prazo. E algo que propus é preencher o Estádio Nacional do meu país com 45 mil pessoas até 2023.

Qual é o teu livro favorito? 

Leio muito, mas além dos livros o que importa para mim é a coerência. Um livro que li assim que saiu foi a Crença Inabalável do Presidente do Grupo Hinode, Sandro Rodrigues. Este livro caiu muito em mim. Eu me identifiquei muito com a história dele e com tudo o que o autor passou para alcançar o sucesso.

Qual é a música que te enche de energia?

Especialmente eu sempre subo ao palco com a música Can U Feel It? de Jean Roch, que transmite muita energia e inspiração para dar o meu melhor sempre.

Em uma frase, o que é preciso para ter sucesso na indústria?

Uma frase com a qual me identifico muito é: Desculpas ou Resultados, mas nunca as duas. Você escolhe.

Luis Raúl Ninapaytán
Deixe sua opinião