Japão: Um mega mercado para o MMN

Um acordo comercial bilateral poderá resultar na eliminação das tarifas japonesas sobre suplementos nutricionais dos Estados Unidos, bem como fortalecer o mercado de marketing multinível no país asiático.

Em nosso mundo global, o livre comércio é essencial para expandir nossos mercados. 

Publicidade

Representante de Comércio dos Estados Unidos, anunciou que abrirá um diálogo formal com o Japão

Este país asiático tem algumas das taxas mais altas de impostos sobre produtos alimentícios e suplementos nutricionais da região Ásia-Pacífico, variando de 15% a 30% para algumas classificações tarifárias de produtos para nutrição.


“Embora o Japão tenha pouco mais de três milhões de representantes de marketing que distribuem através do canal de negócios de marketing multinível, a grande maioria, 80,9% deles são mulheres. Em contraste, 73,8% dos profissionais de marketing direto no mundo são mulheres “.

Além das altas tarifas, o sistema regulatório do Japão representa um sério desafio para a importação de suplementos nutricionais por meio de barreiras não tarifárias, como restrições a aditivos alimentares e regras difíceis para garantir a aprovação de alegações funcionais de alimentos.

Um acordo de comércio bilateral poderia resultar na eliminação das tarifas japonesas sobre os suplementos nutricionais dos EUA, criando um maior acesso ao mercado para o aumento das exportações dos EUA

Atualmente, os exportadores de produtos nutricionais dos EUA estão em desvantagem devido aos recentes acordos comerciais do Japão com outros países, como a União Européia.

Iniciativa das mulheres trabalhadoras

É notável que o envelhecimento da população do Japão e as políticas restritivas de imigração limitaram severamente a capacidade do país de expandir sua economia. 

A fim de estimular o crescimento e rapidamente explorar uma fonte para expandir sua força de trabalho, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, promoveu uma iniciativa de “mulheres” para aumentar a força profissional como parte de suas reformas econômicas. 

Embora muitas senhoras japonesas tenham entrado no ímpeto de trabalho nos últimos cinco anos, muitas também continuam a fazer atividades em meio expediente ou em casa.

Apesar de ser uma economia líder (Japão ocupa o terceiro lugar atrás dos Estados Unidos e China no PIB), o país asiático apresenta mais oportunidades de crescimento em comparação com outros países da região asiática em termos de marketing de rede.

Embora o Japão tenha pouco mais de três milhões de representantes de marketing que distribuem através do canal de negócios de marketing multinível, a grande maioria, 80,9% deles são mulheres. Em contraste, 73,8% dos profissionais de marketing direto globais são mulheres.

A indústria de marketing de rede no Japão totalizou cerca de US $ 15 bilhões em 2017, menos da metade dos US $ 34 bilhões em receita reportada na China, um país com um ambiente regulatório regulatório multinível muito mais restritivo. 

Um acordo de comércio bilateral com o Japão poderia servir para fortalecer o mercado de marketing direto do Japão.

O que tudo isso significa?

Precisamos envolver o governo dos Estados Unidos como uma indústria unificada para:

1. Incentivar o Japão a reduzir ou eliminar as barreiras tarifárias e não-tarifárias do mercado. 

2. Precisamos trabalhar em estreita colaboração com o governo japonês para desmistificar o marketing de rede e fazer parcerias com iniciativas governamentais para melhorar a sustentabilidade da força de trabalho.

 

Deixe sua opinião