Natura avança na compra da Avon e está perto de se tornar a número 01 do mundo

O preço das ações da Avon Products subiu na sexta-feira passada depois que o Wall Street Journal , a Bloomberg e outras fontes de notícias informaram que a rival Natura & Co. confirmou que se envolveu em negociações com a Avon sobre uma “transação potencial”.

A confirmação, feita em um documento regulatório, veio horas depois que o Wall Street Journal noticiou que a Avon e a Natura estavam nas primeiras discussões sobre uma potencial venda que poderia colocar a fabricante de cosméticos e pioneira das vendas diretas nas mãos dos brasileiros.

De acordo com o relatório, a Natura, que comprou a rede varejista Body Shop em 2017, está considerando comprar tanto a empresa norte-americana de capital privado da Avon quanto a empresa de capital aberto sediada em Londres, informou jornal nesta sexta-feira, citando uma pessoa não familiarizada com a empresa. importam.

Publicidade

“A Natura disse que vai manter seus acionistas e o mercado em geral atualizados sobre qualquer nova informação relevante”, disse a empresa no comunicado após confirmar que estava mantendo conversas “sobre uma transação potencial envolvendo ambas as companhias”.

As ações da Avon, que subiram após a primeira quebra do relatório, subiram até 13%, para U$ 3,15, depois que sua rival brasileira confirmou que algumas discussões haviam ocorrido. A Natura caiu tanto quanto 7,5%.

Os detentores de dívida também aplaudiram a possibilidade de uma aquisição. As notas seniores sem garantia mais antigas da empresa, com vencimento em 2024, foram negociadas a 88,75 centavos de dólar após os relatórios da venda, acima dos 79,25 onde foram negociados pela última vez em janeiro, segundo dados da Trace Bond.

“Se um acordo vier a acontecer, não só amenizará as preocupações sobre a liquidez da Avon” e as perspectivas de refinanciamento da dívida nos próximos anos, mas provavelmente levaria a um aumento significativo “para detentores de notas mais antigas, dada a mudança de controle A linguagem e o preço de compra, disse o analista James Dunn, da CreditSights, em nota na sexta-feira.

A Avon, em um email na sexta-feira passada, se recusou a comentar o relatório. “Acreditamos na estratégia de recuperação que temos articulado para os investidores”, disse um porta-voz da empresa em um e-mail. “Estamos focados em executar nosso plano e gerar valor de longo prazo para nossos acionistas.”

A indústria da beleza vem enfrentando novos desafios à medida que as tendências de cuidados pessoais mudam rapidamente. Iniciativas de quadril – variando de marcas norte-americanas apoiadas por capital de risco a empresas de beleza coreanas – acabaram com a participação de mercado de empresas do setor. Enquanto a L’Oreal SA e a Estee Lauder, As duas maiores empresas de beleza do mundo, conseguiram adquirir marcas quentes e usá-las para atrair novos clientes jovens, a Avon não tem tido tanto sucesso nessa frente.

Em janeiro, o público da Avon surpreendeu o mercado ao anunciar planos para cortar 10% de seu quadro global de funcionários à medida que procura novas maneiras de economizar dinheiro e simplificar sua estrutura. As limitações de pessoal vêm em cima da redução de 8% da força de trabalho global concluída em 2018.

A Avon largamente desistiu dos EUA há vários anos, vendendo suas operações americanas para a empresa de private equity Cerberus Capital ManagementA empresa de cosméticos, que detinha uma participação minoritária nos negócios na América do Norte, mudou sua sede para Londres, dizendo que a mudança ajudaria a focar em mercados internacionais como o Brasil, onde as vendas de porta em porta ainda funcionam.

Deixe sua opinião