O sucesso da Credminer/WeHPM após 3 anos de mercado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Que a CREDMINER foi a melhor empresa de criptomoedas do mercado durante mais de 3 anos, não resta menor dúvida, de forma lucrativa ela mudou a vida de milhares de pessoas de 2016 a 2019.

Em 2019, encerrou suas atividades com a certeza de que 83,25% dos contratos foram finalizados com lucratividade superior a 100%.

Os 16.75% restantes, podem encerrar seu contrato, escolhendo levar seu saldo investido para Liquidex em LQXD, e lá, serão convertidos automaticamente em Criptomoeda a cada 30 dias até o finalizar, ou vender sua conta para algum líder que está acreditando no novo modelo criado, respeitando assim, todas as pessoas que acreditaram ou não no negócio.

Antônio Silva em seus vídeos, textos e por todas as reuniões que participou em todo o mundo sempre afirmava que todos no mínimo, iriam recuperar os valores investidos com um mínimo de lucro, isso está sendo cumprido à risca.

PORQUE A CREDMINER PAROU TUDO?

Diante de todas as complicações no mercado de criptomoedas, falta de regulamentação, leis e regras claras, e todas as empresas de criptomoedas serem classificadas como pirâmide pela maioria de sites e Youtubers “caça likes”.

Então veio a decisão: a CredMiner proibiu novos cadastros em 2019 para impedir que novas pessoas pudessem entrar sem nenhuma segurança, além de correrem o risco de não ter moedas para todos, pois desde início de 2019, está a cada dia mais difícil minerar Bitcoin, sem contar que maioria das moedas no mercado, estão com preço baixo, não pagando as despesas operacionais que a empresa tem.

Desde 2018, o mercado de criptomoedas encontra várias dificuldades no Brasil e no mundo, como questões bancarias, hash rate alto, maquinas ficando defasadas rapidamente, parcerias canceladas, troco no core entre outras.

Foi tentado de tudo um pouco, muitas soluções que acharam que era possível, não deram certo, tiveram que tomar às pressas DUAS opções:

1 – Parar tudo: como a maioria das empresas fizeram, sem se importar com quem perdeu ou ganhou.

2 – Respeitar as pessoas: para isso ser possível, era preciso encontrar soluções que nem existem no mercado, e a maioria das opções encontradas, dependeria de terceiros e não foi possível fazer rapidamente.

Tudo foi agravando-se a cada dia, e em 2019 conseguiram, mesmo com os desafios encontrados como:

1 – o tempo: tudo mudou de forma muito rápida, e acompanhar no tempo necessário foi quase impossível.

2 – os desconfiados: tudo que a empresa falava, diante dos fatos já acontecidos no mercado gerava desconfiança, algumas pessoas devido a medo e insegurança, chegaram a acusar a empresa de golpe.

3 – os mal intencionados: estes só queria tumultuar e destilar seu ódio, qualquer que seja a explicação ou prova que a empresa dava, não queria, e não vão entender, e ainda tentaram atrapalhar para que a empresda pudesse cumprir o prometido)

4 – os que só pensam neles mesmos.
(A ideia sempre é a mesma, ao qualquer sinal de problemas em uma empresa, abandonam o barco correndo e querem levar o maior números de pessoas com eles, isso, sem se preocuparem com quem às vezes é obrigado a ficar, mas para estes, os outros não importam. Querem criar uma atmosfera de descrédito na antiga empresa, mesmo após terem obtido sucesso (e muito). Alguns usam argumentos falaciosos como única maneira de angariar alguns ao novo empreendimento que formaram.

Mesmo com todos os desafios a CredMiner venceu, ela criou um modelo revolucionário, onde mesmo nunca prometendo rendimentos fixos, garantindo mercado, lucros ou até mesmo saque em reais, dólares ou euros, o que é praxe na maioria das empresas de criptomoedas.

A CredMiner tem em seu contrato clausulas que deixa bem claro o seu modelo de negócio, entre elas a que. “Estão sujeitos as regras do mercado”. Grifando ainda que poderia, minerar qualquer moeda que dê lucros, qualquer uma.

Inclusive, uma regra que diz, que; “se NÃO tiver lucro com mineração, podem desligar todas as máquinas até o mercado se estabilizar”, e mesmo assim, embora o número pequeno de contratos que não recuperam, optaram por não deixar ninguém perder, e encontraram soluções para que todos.

A empresa sempre deixou claro que era uma empresa 100% de criptomoedas, sempre às que dessem mais lucro e gastassem menos energia, não captava dinheiro no mercado. Talvez por essa transparência, quando foram investigados pelo MP e CVM em 2017 os processos foram arquivados em 2018. (Solicite cópia e número dos documentos)

A Tecnoceleste S/A, empresa responsável pela CredMiner, sempre procurou um pais onde pudesse operar de forma legalizada e que tivesse segurança jurídica para o mercado de criptomoedas e encontrou na Alemanha este caminho.

A maioria estão achando que a nova empresa na Alemanha é uma “Versão” melhorada da CredMiner de forma legalizada, e não é, todo o modelo será bem diferente.

….”o mercado de mineração está cada dia mais difícil, e com o Halving, vai dificultar ainda mais, não adianta legalizar algo que não dará certo em 6 ou 12 meses” disse Rodrigo Mastrangelo, Diretor Geral do Grupo que controla a empresa.

E complementa, “O modelo lançado na Alemanha, é um novo formato de negócios, totalmente diferente de tudo que o mercado já viu, onde o foco principal não é mineração, arbitragens ou qualquer sistema de geração de lucros antes tentado no mercado de criptomoedas, o novo modelo de negócios, abandona o Marketing Multinível tradicional, criando um novo nicho no mercado, aproveitando a estrutura e todas rede de negócios que a empresa conquistou nestes últimos 3.7 anos, onde todos possam trabalhar de forma honesta como sempre, mas que tenha como provar esta honestidade com documentos e a transparência que sempre teve, operando legalmente com um modelo reconhecido em toda Europa, EUA e Ásia de forma sustentável, com parceria até com bancos locais.”

Então desejamos que o novo modelo possa continuar por anos a frente, e que seja a evolução da revolução que as criptomoedas fizeram no mundo.

 

Veja também