9 Passos Para Melhorar Sua Saúde Mental

Nos últimos anos, artigos sobre ansiedade, depressão e uma série de outras condições de saúde mental tomaram conta da Internet, coisas que, décadas atrás, muitas pessoas tinham medo de falar.

Eles achavam que isso poderia levá-los a parecerem fracos, defeituosos ou preocupados. Mas agora, uma onda de abertura e honestidade permitiu que mais e mais pessoas falassem sobre sua saúde mental e os problemas que poderiam enfrentar.

Talvez você esteja se perguntando, mas o que exatamente é a saúde mental? Você já ouviu falar sobre coisas como ansiedade e depressão, e você está familiarizado com os efeitos negativos que o estresse pode ter sobre o corpo. Mas você não conhece as nuances dessas coisas, e por que cuidar da nossa saúde mental é uma parte crucial de viver uma vida feliz, saudável e equilibrada.

Você veio ao lugar certo. Este guia abordará o que é saúde mental e por que é importante, além de explorar os passos tangíveis que você pode tomar para melhorar o seu hoje. Continue lendo para começar.

* O que é saúde mental?

* Por que nossa saúde mental é importante?

* Condições de saúde mental comuns

* Ansiedade

*Depressão

*Outras condições de saúde mental

*O que acontece com o estresse?

*Saúde mental por números 5 9 maneiras de melhorar sua saúde mental

* Manter relações saudáveis ​​e prósperas

* Exercício 5.3 3. Desafie-se

* Pratique gratidão

*Verifique com você mesmo

*Aprenda sobre a meditação da atenção plena

*Priorize seu sonho

*Incorporar o autocuidado em sua vida

*Não tenha medo de procurar ajuda

O que é saúde mental?

A saúde mental refere-se ao estado de nosso bem-estar emocional, psicológico e social. Uma maneira simples de pensar sobre isso é assim: nossa saúde mental afeta a maneira como sentimos e pensamos e a maneira como agimos em determinadas situações.

Quando as pessoas pensam em saúde mental, elas freqüentemente refletem sobre as condições que alguém pode ter, como transtorno bipolar, ansiedade ou solidão. Mas ter boa saúde mental não significa apenas que você vive sem uma condição diagnosticável. Isso também significa que você pode manobrar a vida cotidiana (e seus possíveis problemas e obstáculos) com graça e facilidade.

Uma das definições mais completas e marcantes vem da Organização Mundial da Saúde (OMS): “A saúde mental é definida como um estado de bem-estar em que cada indivíduo percebe seu próprio potencial, consegue lidar com o estresse normal da vida, pode trabalhar de forma produtiva e proveitosa, e pode contribuir para a sua comunidade “.

Cuidar do nosso bem-estar emocional sempre foi importante, mas agora é mais imperativo do que nunca. De acordo com a pesquisa de 2018 realizada pela Associação Americana de Psicologia (APA), a Geração Z, composta por adolescentes e jovens adultos nascidos entre meados da década de 1990 e meados da década de 2000, é a mais provável de todas as gerações mental Vinte e sete por cento dos Zers relatam ter uma saúde mental ruim ou regular, em comparação com 15% dos millennials, 13% dos Xers, 7% dos baby boomers e 5% dos idosos.

Embora esses números sejam surpreendentes, há uma luz no fim do túnel: a geração que mais luta, a Geração Z, também é a que mais procura apoio profissional para seus problemas de saúde mental, segundo o estudo.

Por que nossa saúde mental é importante?

O impacto que doenças e condições físicas, como câncer, pressão alta e diabetes, têm na saúde é claro. Fazemos todo o possível para melhorar as doenças físicas através de dieta, exercícios, medicamentos e visitas ao médico.

Mas, infelizmente, muitos de nós deixamos a nossa saúde mental na estrada. Nós não pensamos que é no mesmo nível de importância que a nossa saúde física. Mas a realidade é que é igualmente relevante, se não mais.

Tome este exemplo Vamos dizer que você é pré-diabético. Adote todos os passos possíveis para evitar que você se torne diabético por meio de exercícios e dieta.

Finalmente, seu nível de açúcar no sangue cairá para um nível aceitável, de modo que você não tenha mais essa situação.

Digamos que você também seja uma pessoa extremamente estressada que trabalha mais de 60 horas por semana, deixando pouco tempo para socializar ou passatempos. Você poderia pensar, é apenas um momento ocupado na minha vida. O estresse acabará se dissipando.

Mas você pode estar subestimando o impacto que esta condição está tendo em seu corpo. Afinal, o estresse mal gerido pode levar a tudo, desde enxaquecas, excessos, fadiga e dores de estômago até abuso de álcool, irritabilidade e depressão, para não mencionar diabetes.

Este exemplo deve ilustrar como cuidar da nossa saúde mental é tão importante quanto cuidar da saúde física. Nossa saúde mental afeta nosso estado diário de ser e seu gerenciamento pode levar a uma série de problemas médicos relacionados.

Sua saúde mental afeta todos os elementos da sua vida, desde o seu desempenho no trabalho até o relacionamento com seu parceiro, família e amigos.

Também pode afetar sua capacidade de dormir, bem como outras coisas menos tangíveis, como a possibilidade de assumir riscos, se esforçar intelectualmente e sentir emoções como gratidão, felicidade e satisfação.

Você pode não saber se está passando por sintomas relacionados a uma condição de saúde mental, já que provavelmente manobra sua vida diária sem perceber que está com dificuldades.

Alguns sinais de alerta que podem ter problemas, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) dos Estados Unidos, são:

*Coma muito ou pouco

*Dormir muito ou pouco

*Falta de energia

*Alterações de humor

*Discuta com seus entes queridos

*Sentindo-se confuso, esquecido, nervoso, irritado ou chateado

Condições de saúde mental comuns

Quando as pessoas pensam em saúde mental, elas podem refletir sobre alterações como transtorno bipolar e esquizofrenia. Embora estas sejam condições graves que requerem tratamento, elas não são as mais comuns no campo da saúde mental.

O transtorno bipolar afeta apenas cerca de 2,6% dos americanos e apenas a esquizofrenia a 1%, enquanto as doenças depressivas afetam quase 10% dos americanos e os transtornos de ansiedade em quase 20%.

Devido à prevalência de ansiedade e depressão nos EUA, é importante educar-se sobre os sinais e sintomas de cada um. Em seguida, analisamos as condições de saúde mental mais comuns que as pessoas enfrentam hoje.

Ansiedade

É normal sentir uma pontada de nervosismo ou ansiedade de vez em quando. Afinal, um pouco de angústia é uma parte necessária da vida. Milhares de anos atrás, nossos ancestrais precisavam de ansiedade como forma de detectar ameaças.

Se você está nervoso antes de fazer uma apresentação no trabalho ou uma tirolesa pela primeira vez, é provável que você esteja experimentando uma dose de ansiedade normal e saudável. No entanto, se a sua ansiedade está presente e tudo parece normal, também pode ser problemático.

O Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) oferece este guia para determinar quando a ansiedade se tornou um problema: “Para uma pessoa com um transtorno de ansiedade, ela não desaparece e pode piorar com o tempo. Os sintomas podem interferir nas atividades diárias, como desempenho no trabalho, trabalho escolar e relacionamentos “.

As várias condições que se enquadram na grande ansiedade, que incluem transtornos de ansiedade generalizada, fobias, ansiedade social e ataques de pânico, afetam quase um em cada cinco adultos nos EUA.

O TAG é uma das condições de ansiedade mais prevalentes, afetando menos de 3% dos adultos. (É mais comum em mulheres que em homens).

De acordo com o NIMH, se você tem excesso de preocupação ou ansiedade na maioria dos dias por mais de seis meses, você pode estar passando por um GAD.

Essas preocupações podem ser sobre qualquer coisa, desde seu trabalho e seus relacionamentos até sua saúde física. É possível que você tenha esta doença se você se sentir com frequência ao limite, tiver problemas de concentração ou achar difícil conseguir uma boa noite de sono.

 Depressão

Como seres humanos, a série de emoções que sentimos abrange todo o espectro. Dependendo do que está acontecendo em nossas vidas, poderíamos estar animados e felizes um dia, mas tristes ou zangados no dia seguinte.

Emoções como tristeza, raiva e medo são uma parte normal da vida humana. Mas quando se tornam intensas e persistentes, podem ser um sinal de depressão clínica ou outro transtorno depressivo.

A depressão clínica é definida como tendo alguns dos seguintes sintomas na maioria dos dias (na maioria das vezes) por pelo menos duas semanas, de acordo com o NIMH: tristeza persistente ou sensação de “vazio”, desesperança, irritabilidade, sentimentos de culpa, fadiga, perda ou ganho de peso, mudanças no apetite e perda de interesse em hobbies ou coisas que você costumava amar.

Além da depressão clínica, outras condições que se enquadram no escopo dos transtornos depressivos incluem depressão pós-parto e transtorno afetivo sazonal (TAS).

Outras condições de saúde mental

Além da ansiedade e depressão e suas condições associadas, existem outros tipos de doenças mentais. As pessoas também podem ser afetadas por transtornos de personalidade (como transtorno de personalidade narcisista e transtorno de personalidade borderline), transtornos alimentares (como anorexia e bulimia), transtornos psicóticos (como esquizofrenia), transtorno de estresse pós-traumático e abuso de substâncias.

O que acontece com o estresse?

Todo mundo experimenta ansiedade, seja nervos antes de comprar um carro ou borboletas no estômago antes do primeiro encontro.

É provável que todos também experimentem uma forma de depressão em algum momento, como a perda de um ente querido.

Da mesma forma, a maioria de nós experimenta estresse em algum momento de nossas vidas. O estresse faz parte do ser humano.

Pode manifestar-se sob a forma de angústia relacionada com o trabalho, ansiedade financeira, nervosismo relacionado com um acontecimento importante na vida (como o divórcio ou doença) ou stress geral devido a tarefas e responsabilidades diárias.

Um pouco de estresse é bom e pode até ser um elemento crucial para nos manter motivados e em vias de alcançar nossos objetivos. Mas muito estresse, ou a bagunça que é mal tratada durante um longo período de tempo, pode ter um efeito prejudicial em nossa saúde social, emocional e física.

O estresse pode se manifestar de inúmeras maneiras, de acordo com o NIMH. Algumas pessoas experimentarão sintomas físicos, como dores de cabeça e dores de estômago, enquanto outras terão mais sintomas emocionais, como raiva e irritabilidade.

Estresse mal administrado durante um longo período de tempo pode ter um impacto sério em nossa saúde. Pessoas com nervosismo crônico têm um risco aumentado de infecções virais (como a gripe e o resfriado comum), diz o NIMH. Além disso, o estresse crônico não administrado pode levar a coisas como depressão, ansiedade, doenças cardíacas, pressão alta e diabetes.

Se você sentir que está mais estressado do que deveria, não tenha medo de dar um passo atrás e reavaliar suas prioridades.

Você pode cortar o trabalho? Se não, quais são algumas das coisas que você pode fazer para controlar melhor sua ansiedade (ou seja, exercícios, sono, meditação)?

Ver um terapeuta é algo que você deve considerar neste momento em sua vida?

Não se limite a atribuir seu estresse ao status quo. Nossa sociedade tem um foco crescente em trabalhar mais, se esforçando para ser o melhor e tentar atingir metas que parecem inatingíveis.

Mas se fazer alguma dessas coisas põe em perigo sua saúde mental ou física, eles não valem a pena.

Saúde mental por números

Se você está lutando com uma condição de saúde mental, você pode se sentir sozinho.

Ninguém em seu círculo social interno abordou esse problema, pelo menos em seu conhecimento. Há algo de errado comigo? você pode pensar Por que não posso ser normal?

Caso pensamentos como esses venham à sua mente, lembre-se: condições como essas são bastante comuns e, felizmente, é fácil tratar muitas delas. Abaixo estão algumas estatísticas ilustrativas sobre saúde mental no

Estados Unidos:

1 em 5: Este é o número de americanos que sofrem de um problema de saúde mental a cada ano.

9,8 milhões: Este é o número de adultos americanos que têm um transtorno mental grave. Isso se traduz em aproximadamente um em cada 25 adultos.

6,9%: Este é o número de adultos com depressão maior nos EUA. UU

18,1%: Este é o número de adultos com transtornos de ansiedade nos EUA.

Nº 1: Em todo o mundo, a depressão é a principal causa de incapacidade.

2 de 1: As mulheres são duas vezes mais propensas a ter depressão maior que os homens.

A seguir, os resultados da pesquisa anual Stress in America, realizada pela APA:

74%: o número de adultos que disseram ter um sintoma físico ou emocional devido ao estresse no mês anterior.

91%: Este é o número de Gen Zers (15 a 21 anos de idade) que relataram ter tido um sintoma físico ou emocional devido ao estresse no mês anterior.

1 de 5: é o número de adultos que não sentem que estão fazendo o suficiente para lidar com o estresse.

64%: Este é o número de adultos que se sentem estressados ​​pelo trabalho.

63%: A porcentagem de adultos que sentem estresse devido a problemas de saúde.

64%: é o número de adultos que se sentem estressados ​​por causa do dinheiro.

48%: A porcentagem de adultos que sentem estresse devido ao estado da economia.

9 maneiras de melhorar sua saúde mental

Mesmo que você não tenha uma condição diagnosticada como ansiedade ou depressão, é vital priorizar seu bem-estar emocional. Pode haver coisas importantes que você caiu na estrada, e voltar à pista pode significar a diferença entre sobreviver e prosperar.

  1. Manter relações saudáveis ​​e prósperas

A solidão é uma epidemia nos Estados Unidos neste momento. Mais pessoas do que nunca se sentem isoladas e, por sua vez, ansiosas e deprimidas.

A solidão pode ter um impacto surpreendente na saúde mental e emocional, bem como na saúde física. Um estudo descobriu que a solidão tinha o mesmo impacto na vida de uma pessoa como obesidade e tabagismo.

A solidão, segundo a pesquisa, encurtou a vida de uma pessoa em 15 anos.

Uma das melhores maneiras de proteger sua saúde mental é priorizando seus relacionamentos.

Tem fortes ligações interpessoais nos beneficiar de inúmeras maneiras: ajuda-nos a sentir que somos parte de uma comunidade, dá sentido à nossa vida, faz-nos sentir aceito e reforça que temos pessoas em quem podemos confiar em tempos de adversidade.

É importante lembrar que pedir ajuda a familiares ou amigos, se você está lutando, não é um sinal de fraqueza, mas de força.

Não deveria haver vergonha em pedir ajuda. Afinal de contas, ser aberto e honesto com seus entes queridos pode ajudá-lo a iniciar o processo de cura.

  1. Exercício

O impacto do exercício na saúde mental não pode ser enfatizado o suficiente. Se você está lutando contra a ansiedade, depressão, estresse ou qualquer outra condição, o exercício deve ter um papel importante em sua vida.

A atividade física pode melhorar o seu sono, fazer você se sentir mais relaxado e aumentar a produção de endorfinas em seu corpo (muitas vezes chamadas de hormônios para se sentir bem), o que pode melhorar o seu humor.

Existem inúmeras maneiras pelas quais você pode obter os benefícios do exercício.

Não é necessário realizar um treinamento intervalado de alta intensidade ou desenvolver giros intensos para alcançar o uso de atividade física.

Na verdade, apenas 30 minutos de caminhada por dia podem melhorar seu humor e reduzir o estresse, de acordo com o NIMH.

Além disso, apenas cinco minutos, a duração de uma música, exercícios aeróbicos ou cardio podem reduzir a ansiedade, de acordo com a Associação de Ansiedade e Depressão da América (ADAA).

Para adultos saudáveis, a quantidade recomendada de exercício é de 150 minutos por semana de atividade moderada (como andar de bicicleta ou caminhada) e 75 minutos por semana de exercícios mais vigorosos, como corrida, de acordo com o HHS.

 Desafie-se

Uma das piores coisas que você pode fazer na vida é ficar estagnada e ficar satisfeita. Se você continuar com o status quo, você não poderá desfrutar de uma das melhores coisas da vida, que é a maravilhosa sensação que você tem ao estabelecer e atingir metas.

Mesmo se você acha que está em um bom lugar na vida e a maioria de seus objetivos foram alcançados, sempre há áreas para crescimento.

A importância de ter metas para trabalhar não deve ser negligenciada. Afinal, ter um propósito na vida é um elemento crucial da nossa felicidade geral e satisfação pessoal completa.

Dê uma olhada em sua vida e encontre uma área para crescimento. Talvez você queira estar em melhor forma física, economizar mais dinheiro para a aposentadoria, publicar um livro, viajar para 10 países, ter filhos ou aprender uma nova habilidade.

O que você identifica como seu objetivo, anote e depois defina seus objetivos

  1. Pratique gratidão

Se você já se sentiu muito ansioso, estressado ou deprimido, provavelmente está familiarizado com o ataque de pensamentos negativos que nunca terminam. Uma ótima maneira de combater idéias desfavoráveis ​​é praticando gratidão.

Existem inúmeras maneiras de desenvolver apreciação todos os dias. Uma maneira simples e eficaz é fazer um diário todas as manhãs ou tardes. Revise por 10 ou 15 minutos diariamente sobre as coisas pelas quais você é grato, tanto pequenos quanto grandes.

Esforce-se para listar três a dez questões. Explore as coisas maiores pelas quais você é grato, como sua saúde ou sua família, bem como o menor e cotidiano pelo que você dá graças, como bom tempo ou um elogio que seu colega lhe deu sobre sua roupa.

  1. Verifique com você mesmo

Você pode estar ansioso, deprimido ou estressado demais e nem perceber. Tente ficar em sintonia com seu corpo e mente e observe os sintomas de que algo pode estar errado. Para controlar sua saúde mental, faça as seguintes perguntas:

Ainda estou tão interessado em tudo que costumava chamar minha atenção?

Eu me sinto mais irritado, irritado ou limítrofe?

Eu estou bebendo mais álcool do que costumava?

A qualidade ou quantidade do meu sonho diminuiu?

Meu apetite mudou? O que há com o meu peso?

Eu tenho menos energia do que costumava ter?

Meus entes queridos comentaram sobre quaisquer mudanças no meu humor ou comportamento?

6. Aprenda sobre a meditação da atenção plena

Você pode ter lido sobre os benefícios da meditação, mas ou você não tem tempo para meditar ou não acha que é certo para você. Entre na meditação da atenção plena.

A atenção plena é uma forma de cuidado que permite que você se concentre e até mesmo controle (em alguns casos) seus pensamentos. Isso pode ser feito em qualquer lugar, a qualquer hora.

O objetivo da meditação mindfulness é estar mais presente em vez de se concentrar no passado ou se preocupar com o futuro.

Os benefícios da atenção plena são amplos: eles podem reduzir o estresse, reafirmar relacionamentos, melhorar o foco e a memória, além de ajudá-lo a se sentir mais confortável.

Mas como isso funciona exatamente? A atenção plena pode ser praticada através de uma respiração profunda e concentrada. Também pode ser conseguido dando um passeio sozinho na natureza ou praticando yoga. Outra maneira de desenvolver a atenção plena, de acordo com o colaborador do SUCESSO Travis Bradberry, é recitar repetidamente uma mensagem breve e edificante sobre você.

Pense em algo que funcione para você (como “não sou minha ansiedade”, “sou forte” ou “estou satisfeito”) e repito para você mesmo.

Tente praticar a meditação da atenção plena uma vez (ou duas vezes) todos os dias durante 20 minutos.

  1. Priorize seu sonho

Se você está ocupado com coisas como trabalhar ou criar filhos pequenos, pode ter dificuldade em dormir de sete a nove horas por noite. Mas fazer isso é imperativo.

Afinal, privar-se do sono só exacerbará problemas emocionais e psicológicos. De fato, um estudo descobriu que pessoas que relataram sentir insônia tinham quatro vezes mais chances de desenvolver depressão nos próximos três anos.

Dormir com boa qualidade não é apenas dormir de sete a nove horas todas as noites.

É também sobre o relaxamento de uma forma relaxante e assim você terá certeza de que terá energia boa para o dia seguinte. Se você acordar 10 ou 15 vezes a cada noite, não sentirá que dormiu o suficiente para se preparar para o dia seguinte.

Se você está lutando para ter um sono reparador, tente incorporar práticas em sua vida que o ajudem a dormir melhor, como a meditação.

Exercite-se todos os dias, se possível, faça uma dieta bem equilibrada e tente eliminar coisas como cafeína, álcool e tabaco, que podem afetar negativamente o sono. Mantenha o seu quarto escuro, fresco e silencioso, e evite fazer outra coisa senão dormir nele.

  1. Incorporar o autocuidado em sua vida

O cuidado pessoal é diferente para cada pessoa, mas é um conceito simples: é importante ter o tempo apropriado para cuidar de sua saúde física, emocional e mental, a fim de levar uma vida plena.

O cuidado pessoal pode incluir coisas nesta lista (como dormir bem, meditar e se exercitar), assim como outras que fazem você se sentir bem consigo mesmo.

Exemplos de cuidados pessoais incluem: comer de forma saudável, viajar para um novo lugar, experimentar coisas novas, relaxar na praia, passar tempo com um amigo ou gastar uma massagem ou outro luxo.

O tipo de cuidado pessoal não importa tanto quanto o efeito: ele deve fazer você sentir que está se cuidando de uma forma que combata a ansiedade, a depressão e o estresse.

Separe 20 minutos no seu dia para se concentrar nos cuidados pessoais. Prepare um shake saudável antes do trabalho, faça uma caminhada durante o almoço ou passe algum tempo rindo com seu parceiro antes de ir para a cama.

  1. Não tenha medo de procurar ajuda

Se há algo que adolescentes e jovens adultos hoje nos ensinaram, é a importância de buscar atenção profissional quando necessário.

A geração Z é a mais provável de todas as gerações a procurar tratamento de saúde mental.

Eles entendem que não deveria haver vergonha em fazê-lo. Nos últimos anos, houve um estigma associado a ver um terapeuta ou psiquiatra.

Mas hoje, esse tabu foi eliminado, já que mais pessoas do que nunca procuram tratamento para seus distúrbios mentais, especialmente com o aumento da terapia on-line remota.

Se você sentir que está lutando com sua saúde mental, não tenha medo de procurar ajuda profissional.

Peça uma referência ao seu médico de cuidados primário

Deixe sua opinião