Até quando vai essa migração em Massa para o Digital?

Essa é pergunta do momento. Qual o próximo grande líder que migrará para o digital?

Nos últimos 12 meses, as empresas de MMN de produtos perderam muito espaço para as empresas digitais.

Publicidade

O MMN de produtos no Brasil, possui empresas vendendo produtos caros, com pouca qualidade, sem diferencial e com planos que valorizam os empreendedores que entram primeiro.

Até o ano passado, os líderes ficavam trocando de empresa, porque recebiam no binário uma perna construída e despejavam a rede na perna oposta.

O troca troca, foi a solução encontrada para obterem renda mais volumosa.

A FX foi o grande estopim do digital. Alguns dos maiores líderes do Brasil, investiram nela e ganharam muito dinheiro. Com a chegada de outros negócios, legítimos e não legítimos, o país adotou o digital.

Todo dia, líderes de produtos abandonam suas empresas para uma de serviços, criptomoedas e câmbio internacional.

Mas essa onda vai até quando?

As empresas e líderes de MMN de produtos, atacam as digitais garantindo que todas são pirâmides. As Digitais revidam, dizendo que as de produtos é que são pirâmides, porque dependem de entrada de pessoas, inflacionam os preços e forçam a rede a vender.

É fato, que a maioria das empresas que atuam no digital, são pirâmides financeiras. Mas existem exceções.

O custo baixo da operação digital, aliado a arrecadação das empresas, gera um faturamento expressivo, que se bem investido, paga a rede e a empresa. E essa é a questão. Que empresa realmente investe o capital, possui robôs, traders e especialistas em finanças e investimentos?!

E que empresa possui uma gestão transparente, divulgando caixa, rentabilidade e lucratividade?!

A Abranetwork divulgará a qualquer momento, uma nova regra que irá resolver essa questão. Será fácil identificar pirâmides de empresas legítimas.

Mais que isso, a instituição sairá em defesa de quem atua de forma legitima e irá combater com força as pirâmides.

O mercado vai ganhar muito com as ações que serão efetivadas.

QUEM BATE NAS EMPRESAS DIGITAIS?

  1. As empresas de produtos
  2. Os líderes de produtos
  3. Os desinformados que não entendem de digital
  4. As empresas tradicionais de criptomoedas que não querem MMN de criptoativos
  5. Os portais e sites de criptomoedas que não querem MMN de criptoativos
  6. Empresas do segmento Digital, que fazem postagens anônimas contra a concorrência
  7. Líderes do segmento Digital, que fazem postagens anônimas contra a concorrência
  8. Veículos de comunicação despreparados e com interesse em informações sensacionalistas
  9. A CVM que defende os interesses dos bancos e da Bovespa
  10. Bovespa que perde arrecadação com as empresas de criptoativos
  11. Os Bancos, que não estão transacionando e lucrando com as criptomoedas

ENQUANTO ISSO:

Fica correndo no mercado, informações equivocadas sobre a CVM e seu poder de legislar e proibir empresas nacionais ou internacionais.

Na prática, empresas de criptomoedas e cambio internacional, não dependem de aprovação da CVM, mas faremos uma matéria explicando esta questão em seguida.

A expectativa e torcida de todas empresas e empreendedores bem-intencionados, é que essa farra de pirâmides acabe.

Mas é preciso separar o joio do trigo.

É preciso combater pirâmides digitais. Mas também é preciso combater pirâmides de produtos.

E pela Abranetwork e grandes especialistas, o sistema binário, deveria ser retirado dos planos.

Da mesma forma que as criptomoedas chegaram pra ficar, muitas empresas irão durar.

A pergunta é: quais?

Quanto ao MMN de produtos, é hora de se reposicionarem e pararem com a desculpa, que pagam impostos e bla bla bla.

É possível fazer MMN de produtos, pagando bem.

Eu acredito e amo muitos produtos comercializados no MMN e quero ajudar este segmento a se fortalecer, afinal, existe espaço pra todo mundo.

Quando é que as empresas de produtos, irão parar de negar o presente e o futuro que são as criptomoedas?! Porque não adotam as mesmas de alguma maneira?

É hora delas se reinventarem. E eu quero ajudar.

Por: Claudio Di Lucca

 

Deixe sua opinião