Coronavírus: a importância da saúde mental na quarentena

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Nos últimos meses, o mundo vem aprendendo uma nova forma de viver. A pandemia da Covid-19, e o isolamento social provocado por ela, tem acarretado o aumento nos problemas de saúde mental.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os efeitos da quarentena são preocupantes e deixam as pessoas em constante estado de alerta, preocupados, confusos, estressados e com sensação de falta de controle frente às incertezas do momento.

Um estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz estima que, entre um terço e metade da população exposta a uma epidemia pode vir a sofrer alguma manifestação psicopatológica, caso não seja feita nenhuma intervenção de cuidado específico para as reações e sintomas manifestados.

A OMS define saúde como o estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas como a ausência de doença ou enfermidade. É também um estado de bem-estar, onde a pessoa é capaz de atingir seu potencial, enfrentar o estresse regular da vida, trabalhar produtivamente e contribuir com a comunidade.

Os principais problemas, que podem causar a incapacidade estão associados à depressão, ansiedade e estresse. Por isso é importante reconhecer alguns dos sintomas:

Depressão

Tristeza; baixa autoestima; perda de interesse; mudança de apetite: ganho ou perda de peso, insônia ou sono em excesso; perda de energia, dificuldades de raciocínio e concentração; irritabilidade; sentimentos de medo, insegurança, desespero, desamparo e vazio; dores e outros sintomas físicos sem uma causa aparente, como dores de barriga, azia, má digestão, diarréia, prisão de ventre, gases, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito.

Ansiedade

Pensamentos de preocupação, tensão, aumento da pressão arterial, respiração, pulso, sudorese, dificuldade em engolir, tontura e dor no peito.

Estresse

Dores de cabeça, estômago ou no peito; baixa imunidade (frequentes resfriados, infecções); náuseas e tonturas; perda de libido; sudorese excessiva e problemas dermatológicos

Todos esses transtornos mentais afetam negativamente nossa saúde. Existem evidências indicando que a depressão pode desencadear o aparecimento de doenças crônicas como diabetes, doenças cardiovasculares, câncer e obesidade.

Da mesma forma, existem vários estudos em que os efeitos do estresse estão associados ao sistema imunológico, modificando a secreção de hormônios que participam da função do sistema imunológico e, em casos graves de estresse, suprimindo-o. Por esse motivo, a prevenção precoce e o cuidado de transtornos mentais são importantes.

A Fiocruz orienta estratégias de cuidado psíquico em situações de pandemia. Veja algumas dessas recomendações:

– Reconhecer e acolher seus receios e medos, procurando pessoas de confiança para conversar;

– Investir em exercícios e ações que auxiliem na redução do nível de estresse agudo (meditação, leitura, exercícios de respiração, entre outros);

– Se você estiver trabalhando durante a epidemia, fique atento a suas necessidades básicas, garanta pausas sistemáticas durante o trabalho (se possível em um local calmo e relaxante) e entre os turnos.

– Compartilhar as ações e estratégias de cuidado e solidariedade, a fim de aumentar a sensação de pertença e conforto social;

– Evitar o uso do tabaco, álcool ou outras drogas para lidar com as emoções;

– Buscar um profissional de saúde quando as estratégias utilizadas não estiverem sendo suficientes para sua estabilização emocional;

Fique bem!

Veja também